Voltar Página inicial
Núcleo Cultural da Horta
NCH Quem somos História Estatutos constitutivos Estatutos actuais
Notícias
Biblioteca virtual Boletins do NCH Outras publicações
Livraria virtual Boletins do NCH Outras publicações Como comprar
Links relevantes

NCH lança livro “O Faial e os Portugueses”

"O Faial e os Portugueses"

“O Faial e os Portugueses”, uma colectânea de textos da autoria de Thomas Wentworth Higgison, é o título do mais recente livro editado pelo Núcleo Cultural da Horta.

Com uma tiragem de 300 exemplares, este livro de 140 páginas inclui sete textos originariamente publicados nos Estados Unidos, em língua inglesa, entre 1855 e 1898.

Nesta edição do NCH, cuja recolha, organização e introdução se deve a George Monteiro, os textos traduzidos para português por Lisa Godinho e Leonor Simas-Almeida foram titulados “O Faial e os Portugueses”, “Uma série de temporais terríveis”, “Subida à Montanha do Pico”, “A janela assombrada”, “Uma viagem aos Açores”, “As Ilhas Encantadas” e “Apogeu e decadência de Portugal”.

Em Nota do Editor, é referido estarmos, porventura, perante “um dos mais ricos e autorizados testemunhos que um viajante estrangeiro por estas ilhas alguma vez deixou impresso”.

Admitindo, embora, que nem tudo o que Higginson escreveu “assentará bem com os leitores actuais”, George Monteiro, na Introdução a este livro, observa também que estes textos constituem “a reacção de um visitante sincero, informado e frequentemente generoso perante um povo e uma cultura que lhe são claramente estranhos em virtude da sua própria preparação e herança cultural.”

Como refere George Monteiro, Thomas Wentworth Higginson (1822-1911) “foi pastor protestante unitário com convicções radicais, oficial durante a Guerra Civil, poeta, tradutor, crítico literário, ensaísta, antologista, escritor de ficção e de contista de literatura infantil, co-editor dos dois primeiros volumes de poesia de Emily Dickinson, defensor de causas e direitos femininos e abolicionista.”

Natural de Cambridge, Massachusetts, Higginson esteve nos Açores em 1855-56, pelo espaço de seis meses, quando aqui se deslocou em busca de cura para a doença crónica da sua primeira esposa.

Última actualização a 11.05.2009 Voltar ao topo